O seu filho não gosta de ler? 

São muitas as mensagens de pais que recebo a dizer que não conseguem que os filhos gostem de ler. 

A leitura como qualquer outro comportamento, vem com o exemplo, se as crianças crescerem a ver os pais a ler, têm mais possibilidades de virem a ser Bons leitores. 

Cá por casa sempre se brincou com livros, desde bebés, manipular os livros, cheirar, observar as imagens, inventar histórias, tudo isto são comportamentos de pré leitura. 

Conversamos muito sobre os livros que lem, construímos roteiros e memoriais de leitura onde se escreve o que mais gostamos num livro, o que sentimos quando o lemos, o que nos fica de lição. Comento muito com eles os livros que vou lendo, ler para mim é uma espécie de viagem mental que faço todas as noites, por vezes uma pagina ou duas, mas vou dormir muito melhor.  

O bingo de leitura é uma das minhas sugestões para que implementem aí por casa o hábito de ler, nem que seja 10 minutos por dia, já é qualquer coisa. Atenção que os prémios de linha ou de bingo devem ser sempre pagos em tempo com os pais, nada de brinquedos 😉 


Aceite a minha sugestão, se o seu filho não lê, comece a ler e entusiasme-o nessa viagem 😉 

Fica prometido um post com sugestões de leitura para os pequenos, por idades. 

Aqui fica o livro que está a encantar a mãe neste momento, fica a sugestão. 

Palavras Proibidas…

Há palavras que devem ser banidas do dicionário de uma criança, as palavras têm muito peso e condicionam o nosso comportamento e atitudes. 

Os meus filhos desde que falam que sabem que as frases ” não sei”, “não consigo” e “não sou capaz” são tão proibidas, ou mais que um palavrão. Isto porque o efeito destas frases é pior no desenvolvimento do que um palavrão. Se eu acreditar que não consigo andar de bicicleta sem rodinhas, eu nem tento… conseguem ver o risco? 

Receita obrigatória ao acordar :

Repetir em voz alta “Eu sei”, “Eu consigo”, “Eu sou capaz”

Nós conseguimos fazer tudo, melhor ou pior, basta tentar! 

O meu filho não é bom a tudo e não me importo :)


Eu nunca fui boa a tudo…era uma totó em qualquer desporto, a ultima a ser escolhida para qualquer equipa, nunca tive jeito para desenho, nem para trabalhos manuais…. isso aborrecia-me? Não 😉 Sempre fui claramente uma rapariga de letras que adorava história e geografia, adorava ler, escrever e pensar… e era feliz assim. 

Tenho três filhos e cada um tem as suas particularidades, são miúdos muito diferentes uns dos outros. São Bons a tudo? Não… isso incomoda-me? Não! 

Cada um deles é bom em coisas diferentes. O mais velho é um miúdo que tem desde sempre um pensamento matemático brilhante, é um rapaz de ciências mas que gosta de ler e escrever, não tem jeito para desenho nem para qualquer trabalho de mãos 😉 . A do meio é uma versão melhorada de mim, ela mesmo diz que sou eu em versão 2.0 , é uma menina de letras, devora livros, escreve maravilhosamente e tem uma paixão por história que ultrapassa largamente a minha, não tem jeito para desporto nem para desenho ( começam a ver o padrão?) 

O pequenino é o nosso coração de borboleta com bichinhos carapinteiros, custa-lhe muito estar quieto, mas fisicamente é um despacho, adora andar de bicicleta, jogar á bola, domina os patins e o skate, adora dancar e cantar… adivinhem…. não é bom a desenhar , já viram que rica herança deixei aos três ? 

Não são miúdos perfeitos, mas são três miúdos felizes, e quando não estão é isso que me preocupa, ajudá-los a voltar a estar felizes e ajudá-los a perceber que não temos que ser bons a tudo, temos que aprender a viver com aquilo em que não somos bons.

 São bons a tudo? Não, mas é exatamente isso que os torna maravilhosos, as suas diferenças! 

É fácil educar assim num mundo que busca a perfeição? Nao, nada fácil… mas fazemos o melhor que podemos 😉

Há dias assim…

Há dias em que paro e penso… penso na mãe que quero ser… nos filhos que gostava de ter… 

Há dias em que penso se estou no caminho certo, se estou a fazer o mais correcto na educação dos meus filho…. Mas depois, no fim desses dias, páro, olho para eles, respiro fundo e percebo que tenho três miúdos felizes, divertidos, amigos, cheios de energia e concluo que o essencial é invisível aos olhos, que a perfeição não existe e que os adoro assim.

Será que sou a mãe que gostava de ser? Tem dias, tem horas… porque há dias assim… 

De pequenino…


Por acreditar que é de pequenino que se começa a aprender tudo, levei a mediação de conflitos ao território do pré escolar e primeiro ciclo do ensino básico. 

É fundamental uma criança crescer  a respeitar os outros, a saber lidar com as suas Emoções, a saber gerir os conflitos do dia a dia! 

Mediacao de conflitos, inteligência emocional, educar para a paz, são alguns dos temas focados na terceira edição do “Curso de mediação de conflitos em contexto pré escolar e de primeiro ciclo” que inicia amanhã em Lisboa. 

Veja tudo aqui 😉

Parem os julgamentos às mães….

Julgar é fácil…

Motivar os filhos para o estudo

familia_ana_manta-55

Passo os dias no trabalho a ouvir mães angustiadas por estarem constantemente a ser colocadas em causa como mães. Mães que vivem com medo de ser julgadas, mães que acham que têm que ser firmes e castigar os filhos que se “comportam mal” em público porque as pessoas vão comentar. Mães que tremem porque ouvem constantemente que os filhos só se comportam mal quando elas estão presentes….Mães a quem este tipo de comentários não vem ajudar em nada e ainda contribui para sentirem que falharam como mães.

Parem com os julgamentos! Cada mãe é única, porque cada filho também é único, não há fórmulas mágicas para educar, o que funciona com uma criança não funciona com outra, não vêm com manual de instruções ( E se viessem não tinha graça nenhuma). O que eu digo às mães com que lido diariamente?

Apenas que sigam o seu coração ( E isto…

View original post mais 68 palavras