Ser único e especial…

Ser único e especial nos dias que correm não é fácil. Entre metas, orientações curriculares, avaliações, enfim… não sobra hipótese nenhuma de ser diferente… e quem é diferente sofre muito…

Mas porque é que tem que ser assim? E porque é que insistimos em formatar? Todos os dias, em tantas escolas, tantas crianças são despojadas da sua individualidade para serem comparadas a um grupo, mas comparar nunca é bom…

Cá por casa optamos por frequentarem o ensino público, até hoje não nos arrependemos e já vai para o 9. ano, mas tivemos tanta sorte…tenho pena que não seja sempre assim, lamento que tenha que ser uma questão de sorte…

Gosto de pensar que não é só sorte, que é o universo que nos retribui por aquilo que damos 😁. Cada um dos meus filhos tem tido no seu percurso professores que os inspiram, professores que têm deixado marcas muito positivas na sua vida e na sua personalidade.

E numa altura em que tanto se fala de professores, em que tanto se criticam as greves às avaliações, venho lembrar que assim como cada criança é única, cada professor também é único. Não podemos deixar de reconhecer tão bons professores que existem e que tornam cada aluno único e especial, apesar do sistema educativo estar como está.

É urgente uma mudança de paradigmas e de modelos de avaliação, o mundo mudou, a sociedade mudou, as pessoas mudaram…só a escola permanece igual!

Anúncios

Libertem as crianças…

Nunca tivemos uma geração de pais tão formada e informada…pais que se preocupam com os filhos, que fazem formações, que lêem sobre parentalidade. Por outro lado, nunca tivemos uma geração de filhos com tanta dificuldade em saber brincar, com tantos medos e que não sabem resolver os seu conflitos….

Porquê?

Há uns dias, foi dia da criança e assisti a uma situação que me deixou a pensar…num dos jardins de infância onde vou, uma criança de quatro anos olhava para os insufláveis e via os seu colegas a brincar, quando lhe perguntaram porque não ia saltar, respondeu que a mãe não deixava, que podia magoar-se e que ia sujar a roupa….era dia da criança e tinha à minha frente uma criança de 4 anos que não podia ser criança, refém de medos que não são seus! Não vamos julgar esta mãe, isso era o caminho fácil… se ela dá essas indicações à criança é porque ela própria tem medos que a limitam.

Não pode ser! Uma criança normal cai, esfola os joelhos, suja-se faz barulho e brinca muito…brinca mesmo muito….faz parte da sua condição de criança e é isso que a ajuda a desenvolver-se e a aprender!

Quando as crianças brincam estão a desenvolver competências que as vão ajudar a criar a base para as aprendizagens formais, quando brincam ao faz de conta estão a treinar competências sociais, mediação de conflitos, gestão de emoções…é assim que elas aprendem.

Quando lhes damos um ecran, tablet, telemovel, etc estamos a tirar-lhes essas oportunidades de aprendizagem. Aprendem Ingles antes de falar português, replicam conversas dos jogos e dos vídeos, aprendem a ler aos 3/4 anos…mas não sabem brincar!

Que podemos fazer para ajudar as nossas crianças a brincar?

– Controlar os nossos medos; podem tremer ao vê-los a fazer equilibrismo num parque infantil, mas garanto-vos que é muito útil para o seu desenvolvimento motor e para a sua auto-confiança.

– Estimular as brincadeiras com diferentes materiais e texturas ( plasticinas, terra, areia, folhinhas, pequenas pedras, etc…)

– Desenvolver a sua criatividade, dar-lhe alguns materiais diferentes e ver o que constrói ou inventa com aqueles materiais, dar-lhe 4 ou 5 objetos ou bonecos e pedir que invente uma história onde entrem aquelas personagens…

– Brincar muito ao faz de conta, simular diálogos e situações que os levem a desenvolver competências sociais, empatia e valores.

No fundo o que devemos é deixar as nossas crianças serem crianças…

P.s – Atenção que não acho que devemos retirar por completo os ecrans da vida das crianças, nem sempre, nem nunca 😜

Se for uma utilização pontual não é grave…se for uma utilização que substitua o brincar, está a ser prejudicial!

Contra as comparações

Sou contra qualquer tipo de comparação…cada criança é única e especial.

Passo a vida a dizer que a riqueza da infância é esta capacidade de ser incomparável….

Se soubessem as marcas que estas comparações podem deixar nos pais e nos filhos…nunca as fariam!

Para a próxima vez que pensar em comparar uma criança…respire fundo e não faça a comparação 😜

Manifesto pelo fim das comparações!

Favas e ervilhas ;)

Descascar ervilhas e favas, uma atividade que fazia em criança e adorava… trabalhamos matemática ( contagens e quantidades), ciências ( de onde vêm as favas e as ervilhas) , motricidade fina, concentração e trabalho colaborativo entre irmãos. Uma atividade muito completa. Aqui fica a dica do dia 😉

O melhor do mundo …

Hoje é dia da criança. É com as crianças que passo os meus dias, é com elas que brinco, são os seus medos que as ajudo a enfrentar, são as suas dificuldades que ajudo a ultrapassar…

Tenho um trabalho que não é trabalho, divirto-me com elas, ganho muito com a sua energia…aprendo muito com a sua forma criativa de ver o mundo!

Mas há um reverso…atualmente pedimos às crianças para deixar de ser crianças muito cedo…exigimos que uma criança de 6 anos permaneça sentada e atenta muitas horas por dia…muitas mais do que a sua condição de criança consegue…

Temos mesmo que parar e pensar. Quem tem poder de decisão tem que ajudar as crianças. O primeiro ciclo do ensino básico não respeita as crianças e o seu crescimento, não respeita os professores e a sua criatividade, ambos vivem reféns de normas e leis, princípios orientadores e metas curriculares….

Em dia da criança apelo…

Deixem as crianças crescer e aprender a brincar, não lhes matem a criatividade, não lhes cortem o movimento, não as obriguem a crescer depressa demais!

Dia dos irmãos

Dizem que hoje e dia dos irmãos, um dia que assinala o muito que um irmão é…um irmão é um amigo, um companheiro, uma pessoa que tem connosco uma cumplicidade imensa.

Não tenho dúvidas que o melhor presente que demos aos nossos filhos foram os irmãos… há momentos muito bons, momentos maus de brigas e rivalidades, mas nada ultrapassa esta relação, estas memórias felizes que queremos que guardem para sempre…

Há dias, a Mariana tinha que fazer uma apresentação oral para Português, de um tema à sua escolha começado por determinada letra. Como tinha uma vantagem, podia escolher a letra em primeiro lugar, disse-nos que escolheu o “i”, curiosa perguntei porquê?

“Porque quero falar sobre os meus irmãos…! ”

Não imaginam o orgulho que senti…incrível uma miúda de 12 anos querer falar à turma sobre os seus irmãos e sobre o orgulho que tem neles…

💕 um dia mostro-vos a apresentação, se ela deixar 😉

Uma dica…nos dias difíceis mostrem fotos de momentos felizes em que se divertiam em conjunto, vão ver como resulta 😜

Feliz dia dos irmãos 🎉🎉🎉🎉

De pequenino se resolvem os conflitos…

Cada vez acredito mais que com a vida agitada que levamos e com a tendência para resolver tudo pelas nossas crianças, cada vez menos lhes deixamos espaço para que aprendam a resolver os seus conflitos.

Temos tantos jovens com problemas de interação, que não sabem lidar com as suas emoções, que resolvem os seus conflitos de forma demasiado agressiva ou demasiado passiva… tudo seria mais fácil se tivessem desde pequenos aprendido que há formas construtivas de lidar com o conflito, que há conflitos que nos ajudam a crescer, que o conflito pode constituir um momento precioso de aprendizagem.

Criei o curso de Mediação de conflitos para Pré-escolar e Primeiro Ciclo porque acredito mesmo que é a melhor altura para ensinarmos às crianças temas como gestão de emoções, resolução de problemas, mediação de conflitos, auto-estima…enfim…um conjunto de competências que as ajudam a crescer emocionalmente mais fortes e que as ajudam a sentir-se bem consigo e com os outros. Este é um curso dirigido a profissionais mas também a pais interessados em adquirir ferramentas que os ajudem a ajudar os seus filhos!

Começa sábado em Lisboa, conto convosco!

Porque acredito eu não consigo mudar o mundo mas posso tornar o “mundinho” à minha volta num lugar onde é bom crescer!